Crystal Heart
Abra um livro quando tiver vontade. Não se intimide porque hoje ninguém vive por alguém. Procure um emprego, estude, faça aula de frevo se tiver vontade. Arrume um namorado, arrume o que fazer. Compre um carro, financie um apartamento, abra uma parceria. Ria de alguém, ria de você. Cante para um desconhecido e dê a mão a um amigo. Diga que ama, demonstre seu interesse, faça um discurso, chore por um filme, chore por alguém. Não jogue lixo no chão, acorde cedo, brinque com seus pais, dê carinho ao seu cachorro. Organize uma festa, vá a igreja, beba suco de melancia, acorde depois do almoço, beije o rosto de alguém, compre um óculos de sol. Contrarie, arrependa-se, especule. Não culpe uma pessoa, faça o jantar, atravesse a avenida, tome banho de chuva. Forme-se numa faculdade, case-se, tenha filhos, tenha uma família. Visite seu melhor amigo, compre um presente, dê um presente, faça as unhas, pinte o cabelo, mude radicalmente o visual. Termine um trabalho, escreva um texto, faça uma carta, leia um panfleto, economize água, pinte uma camisa velha, economize energia, participe de uma brincadeira. Aproveite uma segunda-feira. Nada é tão ruim quanto parece, nada é inaproveitável. A vida ta passando. Nada é totalmente recusável. Os dias correm, as oportunidades correm junto com eles. A vida é exatamente ímpar e singular. Você só tem uma chance.
Thamiris Dondóssola.
via  manias-4bsurd  (originally  historiar)
Talvez seja você a saudade que eu to sentindo, talvez seja você a parte de mim que ta faltando. É como se gradativamente você fosse se transformando em tudo o que me falta sabe? Como se você estivesse se transformando em toda a ausência que eu posso sentir. E a verdade é que eu não to pronta pra viver sentindo sua falta e provavelmente eu nunca vou estar… Mas não dá pra prender você assim, não dá pra te deixar infeliz comigo porque eu prefiro você feliz sem mim. Eu to transbordando amor guardado por você, e é só pra você, e pra mais ninguém. Eu to querendo tanto te dar carinho, te dar a atenção que você tanto pedia e eu pequei por não te dar, mas você já não quer nada de mim não é? É isso o que sobrou de nós? Porque quando a gente deitava junto e sonhava com a nossa vida não era isso o que a gente planejava, não era isso o que você queria, ou pelo menos o que você me fazia acreditar que queria. Lembra de quando eu disse que tinha um medo imenso de deixar você sair na rua e trombar com qualquer uma que fosse melhor que eu? Na verdade, eu sabia qualquer uma é melhor que eu, mas eu tinha medo de que você acabasse encontrando alguém que te fizesse sentir o que eu fazia. E quando eu deitava do seu lado e te pedia pra me abraçar eu sabia que você fazia por obrigação porque eu tinha plena consciência de que você não gostava de me abraçar daquele jeito, mas você se esforçava pra me agradar, pra não me magoar, o que aconteceu com isso? Ou melhor, o que aconteceu com a vontade de estar comigo? Sumiu ou continua ai dentro escondida? Porque se tiver eu acho, eu acho pra te ganhar de volta e eu procuro pelo tempo que for. Eu sei que grande parte da culpa é minha por já não te dar motivos pra gostar de mim, mas eu não sei o que fazer porque eu nunca pensei que você pudesse desgostar e eu queria muito, mas não faço a menor ideia de como mostrar pra você que você não nasceu pra dar certo com ninguém além de mim. Eu sei que é difícil, sei que você não coloca mais a cabeça no travesseiro pra pensar em mim, mas para pra pensar um pouco no perde e ganha que a gente sempre foi, de quantas pessoas eu tive que conhecer pra saber que ninguém era bom o suficiente, só você. Não esquece também que eu sei que ta parecendo que não dá mais certo, mas eu sei também que nós somos diferentes quando se trata disso de funcionar ou não, e que a gente sempre dá um jeito. Você entende a minha confusão como ninguém, aprendeu a gostar dela de um jeito que nem eu mesma consegui. Você me fez melhor, me amou melhor que todo mundo e me fez te amar como ninguém. Eu não sei partir de um novo ponto, não sei encerrar nós dois sabe? Não sei como te deixar pra trás, e não vou me esforçar pra aprender porque não é assim que eu quero, eu quero você comigo, quero fazer planos quebráveis e promessas falsas contigo mesmo se for pra sofrer igual eu to sofrendo agora. Eu quero deitar do seu lado e te obrigar a me abraçar do jeito que você não gosta, quero fazer você morrer de raiva da minha vergonha de falar no telefone, e quero levantar com o cabelo todo bagunçado e receber um beijo de bom dia. Eu quero brigar com você pra ver o meu programa na TV e tirar par ou ímpar pra ver quem vai lavar a louça do almoço. Eu quero borrar a maquiagem de tanto chorar por você e quero borrar o batom de tanto te beijar. Eu só não quero e nem posso perder você.
Eu me inventei ao seu lado, e se você for embora agora, eu não vou saber me reinventar de outro jeito. Lightness.  
via  manias-4bsurd  (originally  unfixedd)
Ela fica linda até quando franze a testa com raiva. Ela fica linda quando acorda e aquele fio de cabelo quer “voar”. Ela fica linda quando tenta me convencer que não me ama. Ela é toda estranha sabe, confusa, personalidade forte e completamente sentimental. Minha menina/mulher, minha ” mina mano”, um conjunto de tudo. Gosto dela pela dureza que ela demonstra, ou tenta. Gosto dela por me fazer ser eu mesmo quando estou com ela. Ela reclama, ela foge do assunto, mas sei que no fundo eu não existo sem ela, porém eu odeio que ela tente não enfrentar tudo por nós. Sei lá eu amo demais essa mulher e tudo que ainda podemos ser juntos.
Sophia CIII, meu amor é da Sophia.  Bell Paulino. 
via  manias-4bsurd  (originally  stuckss)
1 year ago · 285 notes · reblog
originally stuckss · via manias-4bsurd
Você precisa fazer alguma coisa, as pessoas dizem. Qualquer coisa, por favor, as pessoas dizem. O que não dá é pra ficar assim. Nem que seja piorar, nem que seja enlouquecer. Olho o rosto das pessoas. Tem os ossos, dai tem a parte de dentro. Tem os olhos e tem o fundo dos olhos. Da boca saem esses sons. De repente alguém encosta em mim. Pra perguntar com o quentinho da mão se estou ouvindo e entendendo. Sorrio e torço pra pessoa ir embora. Torço pra alguém chegar, só pra torcer bem pouquinho por algo. Mas dai a pessoa começa a falar e torço pra pessoa ir embora. Não tem o que fazer, não tem o que dizer, não tem o que sentir. Sou uma ferida fechada. Sou uma hemorragia estancada. Tenho medo de deixar sair uma letra ou um som e, de repente, desmoronar. Quando toca uma música bonita, minha ironia assovia mais alto. Um assovio sem melodia. Um assovio mecânico mas cuidadoso, como tomar banho ou colocar meias. Outro dia tentei chorar. Outro dia tentei abraçar meu travesseiro. Não acontece nada. Eu não consigo sofrer porque sofrer seria menos do que isso que sinto. Tentei falar. Convidei uma amiga pra jantar e tentei falar. Fiquei rouca, enjoada, até que a voz foi embora. Tentei aceitar o abraço da minha amiga, mas minha mão não conseguiu tocar nas costas dela. Não consigo ficar triste porque ficar triste é menos do que eu estou. Não consigo aceitar nenhum tipo de amor porque nenhum tipo de amor me parece do tamanho do buraco que eu me tornei. Se alguém me abraçar ou me der as mãos, vai cair solitário do outro lado de mim. Se eu pudesse usar uma metáfora, diria que abriram a janela do meu peito e tudo de bom saiu voando. Eu carrego só uma jaula suja e escura agora. Se eu pudesse usar uma metáfora, eu diria que tiraram as rodinhas dos meus pés. Eu deslizava pelo mundo. Era macio existir. Agora eu piso seco no chão, como um robô que invadiu um planeta que já foi habitado por humanos. Mas eu não posso usar metáforas porque seria drama, seria dor, seria amor, seria poesia, seria uma tentativa de fazer algo. E tudo isso seria menos. Não briguei mais por você, porque ter você seria muito menos do que ter você. Não te liguei mais, porque ouvir sua voz nunca mais será como ouvir a sua voz. Não te escrevo porque nada mais tem o tamanho do que eu quero dizer. Nenhum sentimento chega perto do sentimento. Nenhum ódio ou saudade ou desespero é do tamanho do que eu sinto e que não tem nome. Não sei o nome porque isso que eu sinto agora chegou antes de eu saber o que é. Acabou antes do verbo. Ficou tudo no passado antes de ser qualquer coisa. Forço um pouco e penso que o nome é morte. Me sinto morta. Sinto o mundo morto. Mas se forço um pouco mais, tentando escrever o mais verdadeiramente possível, percebo que mesmo morte é muito pouco. Eu sem nome você. Eu sem nome nós. Eu sem nome o tempo todo. Eu sem nome profundamente. Eu sem nome pra sempre.

Tati Bernardi, Sem nome.

via  manias-4bsurd  (originally  soooltinha)
Fiquei a noite toda acordada esperando que você respondesse a porra daquela mensagem que eu tinha mandando, mas não, você simplesmente deve ter ignorado, do mesmo jeito que ignora as mensagens da operadora. Durante horas fiquei encarando o meu celular querendo apenas ouvir o som da mensagem, música para os meus ouvidos, mas a única coisa que escutei foi os batimentos do meu coração e a minha respiração ofegante. Uma mistura louca de ansiedade e desespero por ter mandado a mensagem. Eu não queria ter mandado, juro de pé junto, mas eu queria falar com você e saber como você está e se estava tudo bem, sem problemas. Eu te ligaria, mas não tinha as palavras certas para dizer-te, e morreria só de imaginar o silêncio profundo do outro lado da linha. Mandar um sms me parecia uma ótima ideia; Eu escreveria umas simples palavras, sem muita importância e depois enviaria. Parecia um plano perfeito, uma boa tentativa de puxar assunto, mas infelizmente você não o seguiu corretamente e acabou tornando-se uma missão fracassada. Mas por quê você não respondeu? Você já seguiu em frente? Está apaixonado por outra garota bem melhor do que eu? Odeio essas incertezas que você me causa e toda essa insegurança… Tô parecendo uma criança do maternal esperando o sinal tocar pra ir pro recreio brincar com as outras crianças. Que infantil! Qualquer um que me olhasse iria perceber o desespero estampado em meu rosto e tudo por culpa de uma simples mensagem não respondida. Cara, não acredito que isso tá acontecendo de novo, mesmo separados eu ainda tô sufocando-o, do mesmo jeito que eu fazia antigamente. Que merda! O que tá acontecendo comigo? O que eu tô fazendo? Tô vivendo na minha imaginação uma história que não existe mais, eu tenho que tocar a vida pra frente. Pouco importa se você tá bem ou todo fodido, se ainda tá fumando ou tomou os seus remédios corretamente. Tenho que cuidar da minha vida, tenho que cuidar de mim. E é isso que eu vou fazer daqui pra frente, me preocupar com a única pessoa que merece o meu amor; Eu. Porque você se tornou um passado, e passado fica só no passado. O problema é que eu sou um museu ambulante.
O que custava você responder a porra da mensagem? Larissa Tavares.  
via  manias-4bsurd  (originally  pervertir)
Uma hora você apenas cansa de insistir.” Foi o que eu ouvi sair da sua boca naquele dia, exatamente assim. Você me disse isso com aquela cara de choro, com o lábio inferior fremido, o cabelo bagunçado, e eu fiquei parado na soleira da porta enquanto você apenas pegava as suas coisas e ia embora. Eu sempre gostei de cada detalhe teu. Eu sempre amei tudo em você. Amei sua boca macia, sua pele, seu cabelo curto quase rente a nuca. Você tinha as pernas finas mais lindas, o seu corpo era leve o bastante pra eu erguer no balcão da cozinha, as suas coxas fartas, o seu pescoço foi feito para ser beijado. A tua respiração me acalmava quando era sem querer, me deixava louco quando era entrecortada. Eu te amei, te amei pra caramba. Eu te amei quando você me disse “oi” na porta da boate, como se eu fosse apenas mais um querendo transar. Eu te amei quando você me abraçou e chorou no meu ombro, pedindo desculpas. Eu te amei quando você usava o meu casaco pra sair com as suas amigas, e me deixava vendo futebol sozinho. Eu te amei quando você preferiu ficar em casa a sair comigo porque “não gostava daquelas minhas amigas”. Eu nunca te disse não, nunca te questionei sobre os seus erros, sobre as suas mancadas. Eu tentava entender porque, puta que pariu! Ela nasceu em uma família complicada, precisa de atenção. Eu gostava de cuidar de você, sério. E era tudo o que você queria mesmo, né? Fala a verdade, você nunca quis de verdade estar comigo, quis? Você estava apenas desesperada por uma válvula de escape da tua vida vazia. Você nunca gostou de verdade dos Smiths, nunca achou graça nas minhas piadas. Você não estava cansada de insistir, você estava cansada de fingir. Um dia até as melhores atrizes dão um passo em falso. E você vacilou quando eu disse que te amava. Caralho, eu fiz de tudo por nós dois, eu insisti sozinho o tempo todo sem nem saber disso. E a minha resposta final foi mais uma mentira. Sabe, você foi uma bela perda de tempo, literalmente falando. Você é linda. Você… Tem os olhos mais lindos do mundo, e quando você me olhava e baixava o queixo eu perdia o foco. Eu entrava na sala e te via de moletom e box jogada no sofá, sorrindo, e pensava: “O que eu fiz pra merecer alguém como ela ao meu lado?” O engraçado é que hoje eu penso a mesma coisa, mas em tom de desgosto. Cara, você é tão mentirosa que poderia ter feito pacto com o capeta. E sabe… foda-se você. Eu não insisti o suficiente, eu não te dei atenção suficiente, eu nunca te fiz feliz. Eu nunca te mereci. Então tudo bem. Então, caralho, eu não presto! E você cansou de insistir. Então foda-se. Continua ai com a tua vida… sei lá, vai viver. Vai ser feliz com alguém melhor do que eu, vai me xingar em alguma esquina. Vai continuar fingindo que eu nunca fiz nada por você, por nós. Que eu nunca signifiquei nada pra você. Vai continuar mentindo pra si mesma sobre a verdade atrás da tua partida. Mente pra si mesma e finge que não sabe que você vacilou por medo de estar apaixonada também. Por medo de acabar tão fodida quanto eu. Mas sabe de uma coisa? Se tu tivesse tido o mínimo de vergonha na cara, e falado a verdade, seriamos dois fodidos agora, quem sabe seriamos os dois fodendo agora. Mas você optou por fugir. Então vai lá e te fode sozinha, porque eu insisti o tempo inteiro, eu te quis o tempo inteiro. E agora eu estou fodido. Absolutamente fodido. Mas eu vou me superar, porque até o mais otário tem amor próprio o suficiente pra isso. Teu ato mesquinho não foi nada, não me afetou a ponto de me derrubar. Porque eu vivi tempo o suficiente por você, eu vivi você por tempo demais. E quando a ressaca passar, eu vou estar bem de novo. E você vai estar sozinha. Mesmo que não físicamente, vai estar sozinha. Porque você não teve peito pra viver a nossa história, mas teve peito pra mentir na minha cara. Com o tempo, eu não vou te esquecer, mas vou passar a lembrar de ti com indiferença. Mas você ainda vai estar fodida. Porque eu vou continuar na tua pele, vou continuar no teu cabelo, na tua roupa justa. Vou continuar na tua lembrança, embaixo das tuas unhas, na tua boca. Vou continuar em você. Mas nunca mais do teu lado.
Uma hora você apenas cansa de ser otário. 
via  p-ushed  (originally  ocaoseazul-deactivated20130326)
Na rua da saudade me encontro sentada no meio fio da verdade, esperando o pôr do sol chegar. Espero encolhida ali, bem no cantinho, sozinha. Sufocada de pesares, meio amores e minha fiel companheira, a saudade. Saudade, saudade, saudade. Me pega de enlace, me sufoca em silêncio com as suas palavras não ditas, que apenas ecoam por meus ouvidos. Ouvidos surdos que não ousam ouvir nada além do que desejam. Olhos cegos, cegos de tanto olhar e esperar o que não chega. Sou a capa encapada de um caderno amarelo. Um caderno incompleto, com palavras faltando. Um caderno sem dono que anda divagando, divagando sussurros baixinhos, que se perguntam quanta dor é capaz de suportar. Quanta saudade esmagadora é capaz de aguentar. Aguentar mais aguentando todo esse ferir. Ferindo dores, amores e corações. Corações maltrapilhos, cansados e surrados. Surrados como livros velhos, sem cheiro, e com páginas rasgadas. Páginas queimadas na lareira de madeira entalhada. Queimadas para não poder lembrar daqueles sentimentos escritos, com tanta dor. Oh, santa dor que nunca passa. Que vive cá, dentro de mim. Insiste em ficar, mesmo que eu mande ir embora. É tão teimosa essa dor. Dói tanto, mais tanto que chega a machucar. Mas toda dor machuca, mesmo as menores das menores. Dor, é simplesmente dor. Dolorosa, amarga e insuportavelmente insistente. Sou como um rio que escorre veneno. Veneno da alma que se alimenta de todo meu ser. Veneno que mata, que fere, que dói. Que dói como nenhuma dor jamais sentida. Assim como essa saudade, esse veneno me corrói. Não há antídoto para tal, apenas a triste verdade que está bem em minha frente. Não vai voltar. Nunca mais. Será apenas mais uma página em meu caderno de capa amarela. Vai ser uma página que marcou minha vida, uma página que agora não é mais nada. Somente uma página virada, com uma saudade marcada. Eram ilusões, ilusões feitas especialmente para mim. Para iludir uma cega ouvinte, uma cega amante que ama feita louca, e se entrega totalmente. Erro meu fazer isso, mas o que posso fazer, se isso já é tão normal? O que posso fazer, se isso já sou eu. Sou um vidro que quebra, que corta e despedaça. Sou a menina que corre. Que corre para bem longe do seu medo. Medo que atormenta, medo que atraí. Sou a menina de sonhos. Sonhos não sonhados, sonhos não acontecidos. Sou a menina que vive de nostalgia. Doce nostalgia que me persegue. Persegue aquilo que quero deixar para trás, mas me parece que o passado não quer que eu vá. Sou como um abismo sem final. Sou como o escuro que escurece toda a luz. Sou como eu, somente eu. Me vejo cá e lá, mas nunca sei quem sou. Eu, aquele eu perdido na imensidão daquela rua. Da rua da saudade que insiste em me levar. Me leva para longe, longe do meu lar. A rua da saudade, que só saudade tem. É nela que eu vivo. É nela que eu sou. É na rua da saudade, onde sou metade. Sou eu, aquela que é feita de saudades.
—  Isadora Vieira. 
via  p-ushed  (originally  kritp)
1 year ago · 337 notes · reblog
originally kritp · via p-ushed
Você vai sentir ciúmes, não adianta negar. Quando você a vê conversando com outro cara e rindo com ele, você vai sentir vontade de matar o cara. Quando você olhar as fotos dela com os amigos na balada, vai passar mil merdas na sua cabeça e o ciúme vai aumentar. Não tem como esconder, ciúmes é medo de perder.
Rafael Gorgatt.
via  caiomichellyn  (originally  cig4no)
1 year ago · 802 notes · reblog
originally cig4no · via caiomichellyn
Eu me afasto e ela também, mas a gente sempre volta. A gente é igual cachorro quando se perde, sempre dá um jeito de voltar pra casa. E acho que ela é o meu lar e eu sou o lar dela. Ela me chama de baixinho, mas é menor que eu. Ela me chama de neurótico, mas ultrapassa os limites dessa palavra. Ela é toda errada e eu sou o concerto dela. A gente é complicado, mas ainda é dá gente.
Allax Garcia.
via  manias-4bsurd  (originally  allaxg)
Lá está ela, mais uma vez. Não sei, não vou saber, não dá pra entender como ela não se cansa disso. Sabe que tudo acontece como um jogo, se é de azar ou de sorte, não dá pra prever. Ou melhor, até se pode prever, mas ela dispensa. Acredito que essa moça, no fundo gosta dessas coisas. De se apaixonar, de se jogar num rio onde ela não sabe se consegue nadar. Ela não desiste e leva boias. E se ela se afogar, se recupera. Estranho é que ela já apanhou demais da vida. Essa moça tem relacionamentos estranhos, acho que ela está condicionada a ser uma pessoa substituta. E quem não é? A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos, servindo de curativo pras feridas antigas? A moça… Ela muito amou, ama, amará, e muito se machucará também. Porque amar também é isso, não? Dar o seu melhor pra curar outra pessoa de todos os golpes, até que ela fique bem e te deixe pra trás, fraco e sangrando. Daí você espera por alguém que venha te curar. Às vezes esse alguém aparece, outras vezes, não. E pra ela? Por quem ela espera? E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará. A moça – que não era Capitu, mas também têm olhos de ressaca – levanta e segue em frente. Não por ser forte, e sim pelo contrário… Por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo.
Caio Fernando Abreu.
via  manias-4bsurd  (originally  auroriar)
Can you be my nightingale?Sing to me so I know you're there. We'll never fall apart cause we fit together like two pieces of a broken heart. I hate, don't leave me, I feel like I can't breathe 
crystal heart
»